“A paz de Jesus não se reduz a cimeiras e encontros, é muito mais que isso”, alerta bispo de Leiria-Fátima

D. António Marto presidiu esta tarde a Eucaristia da XXII Peregrinação Nacional de Acólitos ao Santuário de Fátima

 

O Serviço Nacional de Acólicos (SNA) realizou hoje a XXII Peregrinação Nacional de Acólitos ao Santuário de Fátima com o tema “O acólito – Construtor da Paz”.

O acolhimento aos mais de 5 mil acólitos presentes teve lugar no Centro Pastoral de Paulo VI. A Missa, na Basílica da Santíssima Trindade, foi presidida por D. António Marto, bispo da diocese de Leiria-Fátima e concelebrada por D. José Cordeiro, bispo da diocese de Bragança-Miranda e presidente da Comissão Episcopal da Liturgia e Espiritualidade.

O prelado de Leiria-Fátima ao ver um número tão elevado de acólitos expressou a alegria por poder “contemplar um espetáculo de beleza, que deixa ver a beleza deste serviço ”.

“Vós estais ao serviço dos dons que Jesus quer pôr ao serviço do seu povo”, disse.

A peregrinação, que teve como tema central a paz, levou cada acólito a recordar que na Eucaristia “há uma oração e um gesto da paz que lembra Jesus, e reitera o convite à Paz”, precisou D. António Marto.

O bispo de Leiria-Fátima afirmou que “as cimeiras e encontros são importantes para garantir a paz, mas a paz de Jesus não se reduz a isso, é muito mais que isso”.

“Somos convidados a fazer atos de fé e paz, a ter o cuidado pela vida uns dos outros, por uma vida digna”, explicou o prelado.

D. António Marto lembrou, ainda,  que “o amor é mais forte que o ódio”, e explicou que depois da presença de Jesus Ressuscitado os Apóstolos perderam o medo, “Jesus trouxe confiança e esperança para a vida”.

“Jesus fala aos discípulos e a nós sobre o Dom do perdão que é mais poderoso que a ofensa. Entre nós, quando há ofensas e guerras é essencial a reconciliação, é essencial saber perdoar”, transmitiu, lembrando que “onde há tristeza, Jesus Ressuscitado é vida”. O prelado lembrou uma oração de S. Francisco de Assis, que fala sobre como cada um pode ser instrumento da paz.

D. António Marto falou dos Pastorinhos de Fátima como “colaboradores da Paz”, através do convite deixado por Nossa Senhora, convite esse que hoje é feito a “cada um de nós”.

“Temos a responsabilidade de levar a paz ao mundo”, reiterou.

Em seguida os acólitos foram convidados a participar na Procissão Eucarística e Bênção no recinto do Santuário de Fátima.

Foram ainda lançadas 2 pombas por dois acólitos, que simbolizam a paz e figuram a caminhada de cada um.

http://www.fatima.pt/pt/news/a-paz-de-jesus-nao-se-reduz-a-cimeiras-e-encontros-e-muito-mais-que-isso-alerta-bispo-de-leiria-fatima-2018-05-01

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *